Locais de repressão da ditadura portuguesa

30 Abr , 2017  

Os locais ( prisões, campos, sedes da PIDE) onde o regime não democrático que vigorou em Portugal reprimia e torturava. Existiam tanto em Portugal como nas ‘províncias ultramarinas/colónias’. Dói-me muito que estes locais não sejam preservados e usados como lição de memória.
Em Cabo Verde o campo de concentração do Tarrafal, em Mocambique a ‘Vila Algarve’ sede da PIDE, e em Angola – prisão São Nicolau onde se prendia o pai/mãe e toda a família ! Existem Ainda hoje as crianças de São Nicolau que cresceram na prisão ao lado dos pais e testemunharem a humilhação que o pai/mãe passavam ( uma dessas crianças é um jornalista angolano por quem tenho a maior admiração, Ismael Mateus. já pedi ao Ismael para nos escrever a sua experiência. Não o faz. Nem imagino o que deve doer e por isso insisto, mas não insisto. Hesito. ) Passaram por estes locais portugueses, guineenses , angolanos, moçambicanos… devemos ter vergonha de não respeitar a memória destas vítimas. A estória de cada vítima é também a nossa história. Triste e sem honra, mas é a nossa história. A honra do povo vê-se pela coragem de contar toda a história e não só os momentos dos heróis, os carrascos fazem também parte dessa história.

Preço de sorrir nos hotéis de luanda

30 Abr , 2017   Video

,

Descobri que sorrir parece ser um problema nos hotéis. Entro na sala do pequeno-almoço e passo pelo ritual de dizer o número do quarto. O senhor que me pergunta é o mesmo há muitos dias..eu sou a mesma exactamente na mesma quantidade de dias e todos esses dias tenho que dizer e muitas vezes repetir o número quarto que é o mesmo número exactamente na mesma quantidade de dias em que eu e o senhor da porta temos este diálogo.
Hoje acordei rabugenta. Não me apetecia ter o demorado ritual do número do quarto. Mas não!
Hoje voltou a pedir e pediu para repetir. Sentei-me de maneira a observar a porta. E a minha suspeita era real. muitos dos outros clientes passavam sem ser interrogados. Os clientes ( são quase todos homens de negócios ou pelo menos parecem) passam e sentam-se sem ser preciso trocarem uma palavra com o fiscal da porta. Perguntei a um dos empregados porquê que eu era alvo de interrogatório todo santo dia… e veio a resposta ‘é que a senhora é simpática’ , – simpática ?!!! explicou que é porque chego a sorrir.
A maioria dos outros não, chegam de cara de poucos amigos.
Ora bolas!! Sorriso tem preço! Mas prefiro continuar a responder ao interrogatório e continuar a sorrir.
( e cá estou a escrever e a rir de mim própria num hotel em luanda)