Grande Zezito Mendes

29 Jan , 2016  

‘Como se chama? ‘, bety, respondi ( mudo e mudam o meu nome, às vezes sou elisabete, outras Beta, outras Eli.. E todos me servem).

Ao ouvir Bety ficou transtornado e afastou-se, ele a sua guitarra e a voz. Percebeu-se que no passado existiu uma Bety.. Voltou mais tarde e falou-me da outra Bety de há 20 anos atrás. Sempre que ouve ‘Bety’ não é fácil. Os anos de felicidade voltam à memória, mas também a tristeza da doença e da partida. Com desabafo feito selou-se a empatia o início de uma amizade. A conversa foi indo sozinha, desde de Cuba onde ele estudou musicologia até à minha incapacidade de cantar..

Ficou a promessa que numa próxima viagem a S. Tomé vai-me dar aulas de canto. Já me ensinou a ouvir as ondas do mar, ‘cada uma tem um som’, repetiu… É verdade. Grande Zezito Mendes…

No final da conversa pegou na guitarra e cantou ‘já tive mulheres de todas as cores… Mas nenhuma delas me fez tão feliz como vocês (estava eu e a Cláudia) me fazem. 😉 (nos dias de convívio falar e ouvir o Zezito fez-me feliz apesar de já ter assistido a cantores de todos as cores, felizes, tristes.. Mas nenhum deles nos fez tão feliz (naqueles dias) como o Zezito nos fez.