12717789_1276116159072060_3061466439561849466_n

O Rio dos Bons Sinais

15 Fev , 2016  

Onde Vasco da Gama terá descansado. Nelson Saute pegou no rio e fez-lhe um livro. E eu sempre que posso vou perto dos Bons Sinais e fico ali.

Em parte por saudade do Tejo mas Sobretudo gosto da sua companhia quando sei que o sol vai partir, descer e desaparecer atrás dele. Mia couto pegou no livro que o Saute fez com este rio dos bons sinais e escreveu:

“Este Rio dos Bons Sinais é uma deambulação pela história recente de um país recém-chegado ao mundo e de gente que não se demarcou do estado de fantasma. Há, nestas histórias, mortos que não encontram a Morte, homens de luto perpétuo que apenas visitam a vida nas cerimónias fúnebres, jovens que amanhecem pendurados numa corda de sisal.

A morte atravessa todos estes relatos mas a sua marca não é a do definitivo desfecho: os mortos permanecem vivos, eternos sussurradores de luzes e lendas. Manda a tradição local que, à entrada dos rituais de enterro, haja uma bacia de água para que todos lavem as mãos.

Nelson Saúte lava, na própria escrita, as palavras: aqui se abrem rios de um outro tempo moçambicano e que nos fazem navegar por sonhos que são apenas o litoral da pesada realidade de um país que tem enorme dificuldade em se sonhar.”