Eu e o meu pâncreas.

3 Mar , 2016  

12718323_1287971717886504_3947271931781225190_n

Aviso este post é daqueles que só interessa a mim própria e neste caso ao meu pâncreas. Neste caso nem ao meu pâncreas porque não tem Facebook. Eventualmente pode interessar a algum pâncreas ou Ser com pâncreas como o meu.

More…

South Africa 2016

21 Fev , 2016   Gallery

,

Tampões Assassinos

19 Fev , 2016  

12715280_1278798598803816_6849416593903498566_n

A senhora polícia de luva branca abriu a minha mochila. O ar da senhora não escondia que hoje a autoridade não estava para brincadeiras. Mantive-me por isso calada enquanto os meus papéis e papéis e cadernos foram minuciosamente inspeccionados. Mas chegou o momento do ‘tampão. Aí a luva branca não ficou dentro da mala. Pegou no tampão e levantou o braço para poder ver o objecto ao longe. Virou e voltou a ver do outro lado o pequeno objecto. A meio da observação olhou para mim com o ar de ‘apanhei-te’.

Eu continuei a tentar ter o ar mais inocente, consciente que tudo o que eu dissesse seria usado contra mim. Perante o espectáculo o colega mais jovem decidiu tocar no cotovelo da colega. Uma troca de olhares entre eles e só aí a luva branca voltou a colocar o objecto na minha mochila .

Podia seguir, disseram-me, mas a senhora polícia avisou-me com olhar’desta vez escapas’. Uffff

Aniversário Catarina (UCM, Quelimane)

16 Fev , 2016   Gallery

O Rio dos Bons Sinais

15 Fev , 2016  

12717789_1276116159072060_3061466439561849466_n

Onde Vasco da Gama terá descansado. Nelson Saute pegou no rio e fez-lhe um livro. E eu sempre que posso vou perto dos Bons Sinais e fico ali.

Em parte por saudade do Tejo mas Sobretudo gosto da sua companhia quando sei que o sol vai partir, descer e desaparecer atrás dele. Mia couto pegou no livro que o Saute fez com este rio dos bons sinais e escreveu:

More…

Takuta 2016

1 Fev , 2016   Gallery

Andei ‘desaparecida’ do mundo virtual mas mergulhada num mundo bem real. Estive a visitar e a conversar com mulheres e raparigas moçambicanas que vivem longe…longe do mundo da torneira com água, longe do interruptor que acende a luz, longe das rádios, longe dos filmes e da televisão que nunca viram. Irei escrever mais tarde sobre estas vidas e das suas donas que me acolheram.

Mesmo tendo pouco deram-me da sua comida, rimos e falámos sentados e esteiras como manda a tradição africana. As conversas foram sempre temperadas com gargalhadas de todas, mesmo quando se falava de medos e dificuldades. Estas mulheres ‘ relembraram-me como um sorriso vale tanto… Takuta ( obrigada na língua Sena)

Grande Zezito Mendes

29 Jan , 2016  

‘Como se chama? ‘, bety, respondi ( mudo e mudam o meu nome, às vezes sou elisabete, outras Beta, outras Eli.. E todos me servem).

Ao ouvir Bety ficou transtornado e afastou-se, ele a sua guitarra e a voz. Percebeu-se que no passado existiu uma Bety.. Voltou mais tarde e falou-me da outra Bety de há 20 anos atrás. Sempre que ouve ‘Bety’ não é fácil. Os anos de felicidade voltam à memória, mas também a tristeza da doença e da partida. Com desabafo feito selou-se a empatia o início de uma amizade. A conversa foi indo sozinha, desde de Cuba onde ele estudou musicologia até à minha incapacidade de cantar..

Ficou a promessa que numa próxima viagem a S. Tomé vai-me dar aulas de canto. Já me ensinou a ouvir as ondas do mar, ‘cada uma tem um som’, repetiu… É verdade. Grande Zezito Mendes…

No final da conversa pegou na guitarra e cantou ‘já tive mulheres de todas as cores… Mas nenhuma delas me fez tão feliz como vocês (estava eu e a Cláudia) me fazem. 😉 (nos dias de convívio falar e ouvir o Zezito fez-me feliz apesar de já ter assistido a cantores de todos as cores, felizes, tristes.. Mas nenhum deles nos fez tão feliz (naqueles dias) como o Zezito nos fez.

A Piscina

23 Jan , 2016  

12523090_1260892933927716_5901893359709899604_n

Esta Piscina está-me ‘emprestada’. Com a piscina veio um café e um sítio para deixar as malas. Depois de 11 horas de avião chego ao destino, mas nem tenho chave nem quem abra a porta. Resta-me ficar na rua.

Seria assim… mas valem-me sempre umas almas generosas que me aparecem na vida nunca sei bem de onde e porquê e que transformam momentos-menos-bons em momentos bons. O ‘meu’ taxista (digo meu porque já somos amigos- esta amizade consolidou-se quando o ano passado ele atende um telefonema e fica nervoso. Um amigo ameaçava suicidar-se. Desligou e o transtorno continuava. Eu resolvi sugerir falar eu com o amigo ‘diga-lhe que ele vai falar com a doutora’ e lá falei e fiz de psicóloga. Obviamente que só disse as coisas obvias mas o rapaz do outro lado da linha respeitou o que a ‘doutora’ disse. Desde daí não tenho um taxista, tenho um amigo.) mas voltando à história da piscina.

More…

Mama Namibia

3 Jan , 2016  

, ,

12122907_837502606364800_2149924423226426637_n

Mama Namibia é um livro obrigatório para quem quer saber mais sobre a história de África.

Um livro sobre a guerra entre o colonizador alemão e povo Herero na Namíbia. Para muitos historiadores o que se passou foi sem dúvida um genocídio. Em 2004 o Estado alemão pediu desculpa ao povo Herero (mas o genocídio ainda não é reconhecido/aceite). Ao longo da minha viagem pela Namíbia li este livro e uma viagem que seria só de turismo passou a ser também uma viagem na história.

A autora, Mari Serebrov, continua no seu blog a partilhar a sua investigação sobre este horrífico momento da história povo Herero.

Sul de África (Namíbia, África do Sul)

1 Jan , 2016   Gallery

,